Rosana Hermann

Bacharel em Fí­sica pela USP, 2 anos de pós graduação em Física Nuclear pela USP. Jornalista, Escritora, Roteirista, Apresentadora, Estudiosa de Redes Sociais, Palestrante.
Co-apresentadora com Fábio Porchat do "Porta Afora", programa de viagens do Porta dos Fundos.
Trabalhou em todas as emissoras de TV aberta e TVs por assinatura; como roteirista  de humor no Programa do Porchat(Record), Tudo pela Audiência(Multishow),
Vai que Cola(Multishow), Sai de Baixo(Globo), educativos como Glub-Glub(Cultura) , X-Tudo(Cultura), Revistinha(Cultura), variedades como Xuxa(Globo), Faustão(Globo), Gugu(SBT) , Criadora de formatos para a Produtora Floresta
Apresentadora de TV - Fala Brasil (Record), Atualí­ssima(Band).
Foi colunista de Redes Sociais no Jornal da Record News.
Pioneira da Internet, mantém um premiado blog (Querido Leitor) há 20 anos.
Meia-maratonista amadora. 

  • • AGILIDADE MENTAL
  • • EMPREENDEDORISMO E EQUILIBRIO
  • • ESTAMOS TODOS VICIADOS NOS NOSSOS CELULARES: E AGORA?
  • • COMUNICAÇÃO FRAGMENTA EM TELAS
  • • RECUPERE SUA SANIDADE MENTAL NAS REDES SOCIAIS
  • • MESTRE DE CERIMONIAS

Como abrir os horizontes mentais para criar e processar informações com eficiência
Uma forma bem humorada que mostra prática que é possível pensar, pesquisar, fazer tudo melhor

Como encontrar o equilíbrio dinâmico, físico, mental, espiritual, na corrida pelo sucesso.
Estar equilibrado não é estar parado. O cérebro existe para que o corpo se movimente e navegue o mundo.
Mas movimento não é exatamente ‘agitação’, mas deslocamento com rumo e sabedoria

Está na hora de fazer uma D.R. com o celular em busca do Bem Estar Digital
Durante um ano, pesquisei e estudei para escrever o livro "Celular, doce lar", lançado em 2018
pela editora Sextante, para entender como todo um planeta (que hoje tem mais celulares que pessoas) ficou
viciado nessa ferramenta maravilhosa e escravizante.
O vício que nos leva a viver a vida colado na tela e dar mais atenção às redes sociais do que à nossa família
deve ser compreendido para que resgatemos nosso bem estar digital.

A vida vivida em telas em duas dimensões está alterando nosso comportamento, para bem e para o mal.
O consumo, produção, troca de informações em texto, áudio e vídeo, acontecem de forma constante e em alta velocidade em telas luminosas e interligadas. Como lidamos com essa forma intensa e fragmentada de comunicação? Em que isso altera nosso jeito de pensar? Estamos realmente informados ou apenas vivemos a ilusão da informação?
Qual a melhor forma de conviver com a tecnologia, hoje indispensável, sem sofrer seus malefícios?

Polarização política, fake news, trolls, ofensas, comentaristas anônimos. Como sobreviver à toxicidade das redes? Palestra inspiradora e original que usa modelos escolares de ligações químicas para entender relações interpessoais que ajudam
a administrar a toxicidade das redes sociais, oferecendo uma visão mais ampla de como o ser humano se comporta em ambientes
coletivos online.