Clóvis de Barros Filho

Doutor e Livre-Docente pela USP, o professor Clóvis possui ainda graduação em Direito pela Universidade de São Paulo e em Jornalismo pela Casper Líbero.

Um dos mais requisitados palestrantes do paí­s, com um catálogo amplo de temas.

É autor de diversos best-sellers, entre eles o Vida Que Vale a Pena Ser Vivida e Shinsetsu o poder da gentileza. Conferencista pelo Espaço Ética desde 2009, tem como clientes inúmeras das maiores empresas do país.

  • • VIDA QUE VALE A PENA SER VIVIDA
  • • ÉTICA
  • • INOVAÇÃO: CONCEITO, ATITUDE e IDENTIDADE
  • • COMPROMETIMENTO
  • • VALORES
  • • AMOR AO TRABALHO

A filosofia tem como principal objeto a felicidade humana. De tudo o que a humanidade pode conhecer o único saber realmente que importa aos homens é viver bem. Mas no que consiste a vida feliz? De Platão até Nietzsche veremos as principais discussões sobre a vida e se realmente dirigimos nossa existência para satisfazer nossa própria felicidade.

No mundo do trabalho e no mundo da vida, a todo momento somos confrontados com a necessidade de escolher. A vida bem sucedida depende de uma adequada escolha dos princípios e valores que vamos seguir. Ética é justamente a atividade de escolher o melhor caminho entre todos os possíveis.

Inovar é progredir. Em tempos de bonança, tão necessário quanto nas crises. Inovação é criatividade, imaginação. Para inovar, é preciso se conhecer, conhecer o mundo, as virtudes e dificuldades das nossas atividades. Sobretudo, para inovar é preciso confiança e coragem.

Fazer parte de um coletivo implica assumir compromissos e responsabilidades. Da nossa conduta depende a pro sobrevivência do coletivo. Comprometimento é fundamental a sobrevivência das equipes e da organização.

Diante das escolhas da vida, é preciso eleger valores para guiar nossas ações e reações aos dilemas do cotidiano e do trabalho. Os valores, no entanto, são complexos e por vezes contraditórios. Como resolver a complexidade das escolhas? É o que pretendemos refletir nesta palestra libertadora.

Fazer parte de um coletivo implica assumir compromissos e responsabilidades. O que fazemos e como conduzimos nossas relações dentro do grupo implicará no sucesso ou fracasso deste mesmo coletivo. Comprometimento é fundamental à sobrevivência das equipes e da organização, mas o amor é o princípio e o fim de tudo, o que nos move e nos faz enfrentar os reveses da vida. Mas, afinal, o que é o amor? O que amamos quando amamos alguém? É possível realmente amar o trabalho? A palestra pretende investigar essas e outras grandes questões da filosofia